Esquecidos

[Foto: Jorge Marazzo]

Meninos de rua - Jorge Marazzo

ESQUECIDOS
(Rita Costa)
.
Enoja-me tanto contraste,
triste realidade sem solução
sem data de validade,

onde só vejo o belo e pequeno,
quando perto do feio.

Só se escutam promessas…
frases feitas… não-verdades,
e os anos passam nas calçadas…
passamos por eles e elas,…
pessoas ignoradas.

Ainda assim fazem questão
de nos cuspir na cara,
a dignidade humana que sentem,
mas que socialmente lhes é roubada.

Banquete em lata de lixo,
não vejo futuro a essas vidas,
se nelas a miséria vem menina
e a sopa distribuída nas esquinas,
enche o prato-fundo de ilusão
na indiferença infinda.
.
.

Leia também:

Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

About these ads

18 comentários sobre “Esquecidos

  1. Um poema que reflecte a realidade dos nossos dias e que espelha as dificuldades que todos os regimes políticos enfrentam na sua debelação.
    Não chega a contribuição individual, e infelizmente,
    quem pode minorar tal sofrimento, parece não se preocupar grandemente com o seu semelhante.
    Só temos olhos para o nosso próprio umbigo!…
    Um beijinho,

    Milouska

  2. Olá Rita, maravilhoso poema, o qual motivou o post que farei agora em meu blog “dihittando”. Passe por lá mais tarde para ver.
    Tomarei a liberdade de transcrever seu poema, obviamente, com o devido crédito, espero que você não se importe.
    Grande ABÇo e parabéns.
    Margareth

  3. Sou antenada em poesia (não por acaso, trabalho como assistente editorial do poeta Ulisses Tavares, conhece?), visitei seu blog e gostei muito.

    Olha, se puder, dá um toque para seus blogueiros e amigos olharem o site que gerencio:

    http://www.ulissestavares.com.br

    Sempre tem poesia nova lá e os visitantes concorrem a um livro autografado toda semana.

    Sem burocracia e sem despesa alguma. Basta clicar no site, enviar um e-mail e concorrer.

    Grande beijo e continue no caminho da poesia que o mundo precisa disso,

  4. nossa… sempre quando vejo essas cenas; corriqueiramente, tento me expressar mas não consigo. Fico tão triste, mas ao mesmo tempo com uma enorme vontade de dar uma volta por cima dessa situação…
    adorei essa poesia, de verdade. parabéns

  5. Muito triste situação, amiga.

    Não é preciso ir à África pra ver miséria e gente faminta. Quem sabe, em muitos casos, seja só olhar pela janela. Mas para outras tantas pessoas seja só olhar para dentro de casa ou para a calçada em que dormem.

    O mundo sem Cristo vive em miséria, seja pela ganância de poderosos, seja pelo desamor ao próximo.

    A solução é Cristo Jesus. Infelizmente nega-se muito a existência de Deus, os valores morais objetivos, a verdade absoluta, e o que sobra é o nada, niilismo total. Para uma sociedade sem a moral verdadeira, o amor é descartável.

    Fica com Deus.

    A paz e a graça do Senhor e Salvador Jesus Cristo.

    Abraço, em Cristo Jesus.

  6. Rita este texto me comoveu. O desplante diante da miséria, o uso disso pela máquina do poder em período pré-eleitoral causa náusea. E o que resta a nós senão mexer apenas na superfície e sentir no fundo as dores?…
    Grande abraço, menina!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s